Raquel Montero

Raquel Montero

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

Eleição 2.019 do Conselho Tutelar




Nesse domingo aconteceu em todo o Brasil a eleição para o Conselho Tutelar, onde foram escolhidos conselheiras e conselheiros para os próximos 04 anos. O processo de eleição passou por mudanças recentes estabelecidas por lei e que se mostraram muito positivas, como é o caso da prova que cobra das candidatas e dos candidatos conhecimentos do Estatuto da Criança e do Adolescente e a comprovação de experiência na área.


Na prática, porém, apesar das mudanças positivas na legislação ainda esbarramos em problemas que o Município, e as vezes outras esferas da Federação ou Poderes, causam. Aqui em Ribeirão tivemos problemas ainda arcaicos, como foi o caso das panes no sistema eletrônico das urnas que fez causar filas extensas nos locais de votação. Na zona eleitoral em que fiquei como fiscal, no Jardim Iguatemi, houve pessoas que ficaram mais de uma hora na fila.


Algo triste e desrespeitoso com todas as pessoas, tanto as que foram votar como as que estavam atendendo e sendo cobradas injustamente pelas pessoas que foram votar, por essas desconhecerem ou ignorarem a origem do problema. A simples existência de urnas da própria Justiça Eleitoral teria evitado esse problema.


Tive conhecimento de outros problemas que ocorreram em outras locais de votação, referentes a alagamentos e falta de energia elétrica em razão da chuva que ocorreu. Mas posso melhor falar acerca da zona eleitoral onde fiquei exatamente desde o início da votação, 08hrs, até o término dela, 17hrs.



O que foi ruim não pode mais se repetir, deve ser corrigido, mas quero dizer ainda mais, e aí quero falar do que foi bom, muito bom de testemunhar. Testemunhei todas as pessoas que ali estavam trabalhando, seja como eu, voluntariamente como ficais, seja as que estavam trabalhando pela Prefeitura de Ribeirão, se dedicando de verdade para que todo o processo corresse bem, com respeito, tranquilidade, agilidade, eficiência e lisura.


Todas as eventuais intercorrencias que surgiram no caminho foram com presteza e boa vontade resolvidas rapidamente pelas pessoas que ali estavam para trabalhar na eleição, e para além do trabalho a ser feito houve simpatia e empatia dessas pessoas. Falei da fila extensa que se formou em dado momento em razão das panes no sistema eletrônico da votação, mas até mesmo esse problema, na zona eleitoral em que eu estava, foi resolvido após reconhecido esforço e insistência da equipe técnica, e a maior parte do tempo a votação ocorreu com rapidez e sem filas naquele local.



Entre as e os fiscais estabelecemos uma junção de esforços com o objetivo de fiscalizar a eleição, sem qualquer predileção ou parcialidade, como deve ser mesmo o papel da/do fiscal. Em razão dessa união não tivemos, naquela zona eleitoral, nenhum dos famosos problemas que se houve falar com candidatos e candidatas no dia da eleição, bem como não tivemos qualquer briga ou "caso de Polícia". Posso dizer, por fim, que no local onde fiquei, e isso me dá alegria de dizer, as pessoas se respeitaram de verdade e de verdade cumpriram com o objetivo do ato.


E no fim, veio o resultado, que não é tudo em uma eleição, mas uma parte dela, e como resultado tivemos a feliz notícia de que entre as 15 vagas disputadas foram eleitos e eleitas pessoas progressistas que defendem os direitos das crianças e adolescentes com o instrumento correto para isso, que é o Estatuto da Criança e do Adolescente, e não com um livro religioso. Conselho Tutelar não é lugar para doutrinação religiosa, é lugar para que se defenda os direitos das crianças e adolescentes.


Valeu!

Raquel Montero

sexta-feira, 4 de outubro de 2019

O PARALELEPÍPEDO DA NOVE DE JULHO NÃO É O PROBLEMA, A FALTA DE MANUTENÇÃO NELES É QUE É


Foto: Reprodução
 
 
 
 
Sabe aquele ditado popular que diz "não jogue o bebê fora com a água do banho"? Então, cabe como uma luva nessa história dos paralelepípedos da Avenida Nove de Julho, cartão-postal de Ribeirão Preto/SP, e os debates que se instauram com propostas equivocadas de substituí-los por asfalto. O problema não é o paralelepípedo, ao contrário, ele é solução para muitos problemas. O problema é a falta de manutenção neles. As ruas de asfalto também recebem reparos e manutenção, por que reclamar, então, quando a manutenção é nos paralelepípedos? O correto é que as distorções sejam corrigidas, que os desníveis e buracos sejam reparados, eliminando o que é ruim, que são esses problemas, e conservando o que é bom, que é o paralelepípedo. "Vai a água suja e fica o bebê."
 
 
Especialistas no assunto defendem o uso de paralelepípedo nas vias das cidades como meio mais seguro para as pessoas através do tráfego mais devagar de carros e como meio ecologicamente correto. Dentre essas/esses especialistas está a renomada arquiteta e urbanista, mestre e doutora, Raquel Rolnik, Professora Titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, que foi também Diretora de Planejamento da cidade de São Paulo e consultora de cidades brasileiras e latinoamericanas em política urbana e habitacional, Secretária Nacional de Programas Urbanos do Ministério das Cidades entre 2.003 e 2.007, Relatora Internacional do Direito à Moradia Adequada do Conselho de Direitos Humanos da ONU (2.008 a 2.014), e é autora de livros e artigos sobre a questão urbana.
  
Explica Raquel Rolnik que os paralelepípedos são considerados ecologicamente corretos porque, com a característica de não contar com cimento ou outro material impermeável entre eles e abaixo deles, permitem a infiltração da água da chuva, fazendo a drenagem no local onde eles existem. As vantagens desta infiltração vão desde a recarga do lençol freático à diminuição da vazão da água direto para os mananciais, de maneira a diminuir os riscos de enchentes (e de enchente Ribeirão não quer nem ouvir falar).
 
 
Além desses benefícios os paralelepípedos contribuem para uma temperatura menos quente porque o asfalto tem o poder de absorver calor durante o período de insolação, este calor é liberado para o meio ambiente, o qual pode ser sentido pelas pessoas ao andarem pelas ruas asfaltadas. Com os paralelepípedos o comportamento é totalmente diferente, uma vez que este tipo de pavimento, por características geológicas da pedra, absorve menos calor. O paralelepípedo em contato direto com o solo de areia e terra de sua base, facilita a dispersão do calor absorvido, não irradiando o calor por muito tempo depois do período de insolação, deixando a temperatura mais amena e tornando o clima mais agradável.
 
 
E ainda, em mais dois aspectos o paralelepípedo ganha do asfalto; o financeiro e a durabilidade. A manutenção do paralelepípedo é mais barata do que a do asfalto e o pavimento de paralelepípedo tem mais resistência que o asfalto. O paralelepípedo em si não precisa de manutenção, mas, sim, a sua base. Já o asfalto é ele mesmo que sofre desgaste no tempo, precisando de remendos ou os famigerados "tapa-buracos".
 
 
É absolutamente possível ter vias regulares de paralelepípedo, e em uma rápida consulta na internet se pode constatar isso através de fotos e exemplos de onde elas existem, inclusive com existência secular e até milenar que permanecem até hoje.
 
 
Além de todos esses atributos quando o assunto envolver os paralelepípedos da Avenida Nove de Julho e a equivocada alternativa de substituí-los por asfalto, há que se lembrar que eles foram objeto de tombamento em 2.008, sob o Governo de Welson Gasparini, após decisão do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural de Ribeirão Preto (CONPPAC), assim como também foram tombados os pisos das calçadas adjacentes e as árvores Sibipiruna. E foram tombados após reconhecido os valores históricos e culturais desses patrimônios. Esse reconhecimento também foi feito por turistas, e um dos mais renomados sites de viagem do Brasil, o TripAdvisor, comprova isso. Neste site a Avenida Nove de Julho, inaugurada em 1.922, com seus paralelepípedos quase seculares e suas suntuosas Sibipirunas que fazem um corredor verde na cidade, tem mais de 390 avaliações sobre seu valor histórico e cultural.
 
O valor histórico e cultural desses patrimônios vem da história que eles acumulam no tempo, registrando fatos e momentos que formam a cultura de uma cidade e seu povo, e através da conservação da existência deles esse legado cultural pode ser melhor repassado às novas gerações, da maneira mais eloquente e que vai além dos registros meramente fotográficos e escritos. Um povo que não valoriza e conserva sua história e cultura é um povo pobre, que menos pode ensinar, aprender e aprimorar.
 
Que se faça, pois, as manutenções necessárias, e que se conserve o patrimônio da cidade. Afinal, quem ganha com a destruição da cultura e da história de uma cidade e de um povo?
 
Raquel Montero